Museu Rock & Roll

The Doors

Sexo, morte, decadência, carisma e uma variante única do eletric blues deram ao Doors uma aura de profundidade, que não só sobreviveu, mas também cresceu muito nas últimas duas décadas, após a morte de Jim Morrison.

As letras de Morrison eram vistas como o retrato da juventude, porém, com uma certa liberação sexual.Com o teclado de Ray Manzarek e a guitarra de Robby Krieger, eles tornaram as invocações mais sinistras, poderosas e quase xamanísticas, o que sugeria uma familiaridade com as forças ocultas, e, no caso de Morrison, uma obsessão pelo excesso e pela morte.

  No seu auge, as músicas do The Doors - como "Light My Fire", "L.A. Woman"- evocavam uma visão deturpada da Califórnia dos anos 60, que contrastava com os estilos folk e trippy que prevaleciam naquela época.

Morrison e Manzarek, que eram colegas na Escola Graduada de Cinema da UCLA, montaram o grupo em 1965, ao se encontrarem numa praia do sul da Califórnia. Após Morrison ter recitado um de seus poemas, "Moonlight Drive", Manzarek - que tinha estudado piano clássico quando criança e tocava no Rick And The Ravens, uma banda blues da UCLA- sugeriu que eles fizessem umas canções.


Os irmãos de Manzarek, Rick e Jim, serviram como guitarristas, até Manzarek encontrar John Densmore, que apresentou Robby Krieger; ambos já tinham sido membros da banda Psychedelic Rangers. Então, Morrison batizou a banda de The Doors, por causa do livro The Doors of Perception, de William Blake, que fala sobre alucinógenos.

Logo depois, o The Doors gravou uma fita demo, e no verão de 1966 eles começaram a se apresentar em bares, como o Whisky-A-Go-Go, porém, quatro meses depois, tudo foi por água abaixo quando eles inventaram de tocar a música "The End", uma das várias canções polêmicas de Morrison, que trazem temas como o complexo de Édipo. Então, Jac Holzman da gravadora Elekctra Records foi convencido por Arthur Lee do Love, a assinar contrato com a banda. Ironicamente, a melhor fase da banda começou em 1980, nove anos após a morte de Morrison.

Com a biografia de Jim Morrison escrita por Jerry Hopkins, No One Here Gets Out Alive("Ninguém sai vivo daqui"), o The Doors e principalmente Jim Morrison começaram a entrar no mercado novamente - divulgados por seus admiradores e por bandas covers.
 

Em 1980, as vendas de gravações ultrapassaram todas previsões. A revista ROLLING STONES trazia na capa: "He's Hot, He's Sexy, He's Dead" ("Ele é quente, ele é sexy, ele está morto"), e isso era só o começo. Em 1983, o lançamento de Alive, She Cried, seguido de vídeos do Doors exibidos pela MTV, introduziram Morrison e sua banda à nova geração.

 


Em 1991, o filme feito por Oliver Stone, que é a biografia da banda e traz Val Kilmer como Jim Morrison, foi um tremendo sucesso, tanto crítico como comercialmente. Dos 12 álbuns do The Doors, todos foram discos de ouro, e sete foram discos de platina. Em 1995, a reedição de An American Prayer incluía a música "The Ghost Song", uma nova faixa que ressuscita o The Doors, utilizando uma velha gravação de Jim Morrison lendo um trabalho seu, com uma música de fundo.

Em 1990, uma lápide foi roubada do túmulo de Jim Morrison; em 1993, quando seria o qüinquagésimo aniversário dele, centenas de pessoas - muitas nem tinham nascido quando ele morreu - vieram de todas as partes do mundo para prestar-lhe uma homenagem.

O grupo foi incluído no time de famosos do Rock'n'Roll, somente em 1993. "This is the End..."

Links Interessantes:

The Doors - Web Site Oficial

The Rest of The Doors

Envie seus comentários para
comentarios@portaldorock.com.br

RETORNAR AO MUSEU

NetRadio.com: Punk